Monday, December 17, 2007

Crianças "terceirizadas"

A falta de trato com as crianças não é novidade na cultura humana. Registros e absurdos podem ser encontrados em diversos documentos históricos. Atualmente, as crianças seguem sendo vítimas de uma série de violências e descuidos. A desculpa hoje é a necessidade de subsistência das famílias, por exemplo, pais e mães dispõem cada vez menos de tempo para conviver com seus filhos. A alternativa mais comum, nesse caso, tem sido entregá-los à guarda de parentes, vizinhos ou conhecidos, que nem sempre estão preparados para cumprir tal tarefa. Em outros termos, há uma tendência em curso de "terceirizar" as crianças. Quem coloca em pauta a discussão é o médico pediatra e ex-reitor da Unicamp, José Martins Filho, em seu livro “A Criança Terceirizada - Os descaminhos das relações familiares no mundo contemporâneo”.
Direcionada ao público em geral, mas com foco para os pais, o trabalho chama para uma reflexão sobre a realidade atual das crianças, sobre a verdadeira condição de responsabilidade que é ser pai ou mãe.
Outro ponto de destaque é a defesa à ampliação da licença-maternidade de quatro para seis meses, cujo projeto de lei está em discussão no Congresso Nacional. "Em alguns países nórdicos, esse tipo de licença é de dois anos. Nesse caso, os custos são arcados pelo governo e não pelas empresas".
O autor alerta, então, para o grande risco que é a entrega dos filhos para parentes, vizinhos ou babás que não estão preparados para cuidar adequadamente das crianças. Ele alerta, mais do que falar sobre os direitos das crianças, o momento é de assegurá-los na prática, sob pena de nos arrependermos no futuro.
Eis os frutos da nova tendência, a terceirização dos filhos. Percebo a prática comum em grandes cidades, mas já podemos observar isso em locais menores como Sobral, e o resultado são filhos mimados, mal educados e posteriormente adultos problemáticos. Portanto, mais do que conforto,o filho precisa de amor!

1 comment:

Donato - Piracicaba/S.P said...

Essa observação do médico pediatra, é pratica já comum em cidades relativamente pequenas, como aonde moro, as famílias, por interesses mesquinhos, como preciso "curtir minha vida", terceirizam os filhos à parentes ou a qualquer um. Adolescentes sem limites, sem valores morais mínimos, crescem e se tornam revoltados, inconsequentes. Quem se propõe a ter um filho, deveria antes da concepção, realizar uma reflexão das perdas e ganhos inerentes a maternidade/paternidade. Como disse o pediatra,em entervista à EPTV CAMPINAS, vamos dar ás mão agora aos nossos filhos, ajudá-los em suas carências, para que na adolescência não tenhamos o desprazer de tirá-los das drogas, por exemplo.